quarta-feira, 24 de junho de 2015

Valter Hugo Mãe

… a ler


Valter Hugo Lemos, aka Valter Hugo Mãe (ou até valter hugo mãe), é um escritor nascido a 25 de setembro de 1971, na cidade angolana Saurimo (antigamente chamada de Henrique de Carvalho). Licenciou-se em Direito e fez uma pós-graduação em Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Em 1999 foi co-fundador da Quasi Edições na qual publicou obras de várias personalidades portuguesas e não só, como Mário Soares, Caetano Veloso e Adriana Calcanhoto. Em 2007 atingiu o reconhecimento público com a atribuição do Prémio Literário José Saramago, com a obra o “remorso de baltazar serapião”. É autor de várias obras em muitos géneros, não só na poesia, como no romance, na escrita infantil e, curiosamente, na música.



Fig.1 – Fotografia do escritor 


Este autor, que considero o novo Saramago, é um caso de “liberdade gráfica”, isto é, muitas das suas obras são escritas integralmente em minúsculas. Como o próprio diz, “Simplificando, sintáctica e graficamente, chegamos a uma escrita mais próxima do modo como falamos. As pessoas não falam com maiúsculas”. Deste modo, considera que a simplicidade que procura não só o pode almejar, como acelerar o processo de escrita. Agilizando a escrita e o texto, aproxima-se não só do ritmo da fala como do próprio pensamento.
Além disto, Valter Hugo Mãe abomina as reticências, sobre as quais diz que “é uma menorização da capacidade de leitura e de compreensão. É o sinal gráfico mais insuportável, porque é um sinal de desrespeito pelo leitor, que trata como se fosse estúpido".

Saramago, aquando a entrega do Prémio Literário José Saramago, admite que “este livro [“remorso de baltazar serapião”] é um tsunami no sentido total: linguístico, semântico e sintáctico. Deu-me a sensação de estar a assistir a uma espécie de parto da língua portuguesa. Lembrou-me algumas ousadias a que me atrevi há vinte anos e que produziram escândalo. Temos outro escândalo, porque valter hugo mãe louvou a expressão escrita da palavra, e abandonou a parafernália sinalética, portanto, tudo o que é supérfluo”.




Fig.2 – Saramago e Valter Hugo Mãe


Dentro das minhas expressões favoritas, tão verdadeiras encontram-se estas, ambas da obra “o filho de mil homens” – “Nunca limites o amor, filho, nunca por preconceito algum limites o amor.” e “Quem perdeu a mãe perde para sempre e nunca mais para de perder.”Aconselho vivamente a exploração das obras deste autor contemporâneo!


Afonso Marques, 12º CT3


Referências biliográficas:
Jornal de Letras, Artes e Ideias. (24 de janeiro de 2010). As grandes minúsculas de valter hugo mãe. Disponível em http://visao.sapo.pt/as-grandes-minusculas-de-valter-hugo-mae=f545016
Wikipedia. (15 de abril de 2015). Valter Hugo Mãe. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Valter_Hugo_M%C3%A3e