domingo, 15 de maio de 2016

Vozes no vento que passa




Há sempre alguém que semeia /
Canções no vento que passa” (Manuel Alegre)



Afinal, o que são canções? Talvez sejam meras palavras escritas ou então projeções de pensamentos partilhados por muitos, ideias transformadas em vozes que querem ser ouvidas. Há sempre vozes que se fazem ouvir e que ecoam, que alimentam a esperança de uns e atormentam a mente de outros. 

A história da humanidade é marcada por pontos de viragem, como resultado da vontade e coragem de vozes incógnitas que se impuseram perante o poder, quer político, quer social, procurando lutar por aquilo em que acreditavam. Estes marcos na história mundial foram impulsionados por uma voz que deu voz a outras vozes, que juntas revolucionaram e juntas venceram.
As manifestações e revoluções do mundo semearam novas mentalidades no vento, que foi fugazmente passando e fora o cúmplice das vozes que se ergueram.

Há sempre uma canção prestes a nascer, que anseia brotar. São precisas vozes que ecoem à medida que o vento passa e que, com ele, sejam propulsoras da mudança. É preciso um alguém que seja a voz de mil vozes, de mil vontades e em cada dia "Há sempre alguém que semeia/ Canções no vento que passa".

Bárbara Lopes, 12.º CT3

Sem comentários:

Enviar um comentário