sexta-feira, 27 de março de 2015

... a propósito do mundial do teatro


PORRA PARA O TEATRO! (Luís Bizarro Borges)


[Quase sem razão (necessária), às vezes, revisita-se um tema musical, um livro, um texto… ou um texto sobre um livro. Apeteceu-me: revisitei o livro e o texto escrito sobre o mesmo. Talvez por me lembrar do Dia do Teatro, talvez por recordar como o Teatro, forma de arte do aqui-e-agora, é um modo de espelhar a vida (em todos os sentidos).]


“Nem tudo o que reluz é oiro
Nem tudo o que alveja é prata”.

Serve o provérbio para falar, ainda que sucintamente, do livro de Luís Bizarro Borges Porra para o Teatro!. Isto significa que, tendo em atenção, antecipada e preconceituosamente, alguns tabus linguísticos (e não só!), o título indicia um chorrilho se calhar pouco recomendável. Na verdade, porém, o título é só um desabafo.



Efetivamente, este livro é um exercício (quase soliloquial) narradramático em que Ricardo, o narrador, um frustrado empregado de escritório e um frustrado dramaturgo com laivos de teatrólogo, vai tentando observar-se e observar os outros em busca de algo… da verdade, talvez. Ao mesmo tempo, apresenta propostas cénicas que são, na essência, a descoberta do Outro em si. Em qualquer uma delas acontecem mutações progressivas à medida que se aproximam da verdade egotista, uma verdade (“blanca ou roja”) de certo modo iconoclasta e crua. Por isso, quando os ideais esbarram com pragmatismos espúrios e limitações conservadoras, o resultado é o pessimismo, a desistência, o conformismo, o abandono da luta.

«Os meus argumentos provocam-me tédio e cansaço, a pesada sensação do déjà vu. Pueril e fastidioso. E nem sequer me consola o facto de aplicar a mesma sentença em relação aos argumentos dos outros.» (p. 7)

É nessa altura que Ricardo, farto de tentativas frustradas de se adaptar a um mundo que teima em fugir-lhe do entendimento, desabafa desistentemente: “Porra para o teatro!” E se a vida é, shakespearianamente, um teatro…

Note-se que a obra é também um exercício (curioso) de desmitificação de tabus, sejam eles éticos, estéticos, religiosos, culturais… Por isso, o autor apresenta circunstâncias com crueza, mas com naturalidade. Afinal, nada que a realidade não lhe apresente… se calhar com mais crueza ainda. E entre essas circunstâncias, em mimese da realidade, relevam as ditas propostas cénicas.

Entre essas propostas que Ricardo apresenta e que o sr. Costa vai rejeitando, destaque-se a segunda – “Eu, pecador, me confesso” – que é aparentemente anticlerical. E é aparente porque o que releva dela não é o sentido crítico do acto confessional, mas tão-só o significado e a utilidade que cada um dos confessandos lhe imprime: um momento, não introspetivo e/ou intimista, mas sim uma oportunidade de também ver o Eu no e com o Outro.

Tal como a vida hodierna, o livro lê-se bem e de um fôlego só, até para ver “aonde é que aquilo vai dar”. E provavelmente vai dar ao círculo, à completude, da vida, que se renova, mas em processo iterativo.

«As peripécias mais ou menos atribuladas que cada um evoca como suas já foram contadas centenas ou milhares de vezes e em versões para todos os gostos» (pp. 7, 99).

Paulo Correia de Melo

Março de 2015

Sem comentários:

Enviar um comentário