domingo, 3 de junho de 2018

Saudade, ó doce tortura


A saudade é um sentimento que nos persegue a todos durante a nossa vida. É inevitável e uma cruel amiga que sempre nos segue tal como uma sombra segue o seu dono.
As lembranças melancólicas de que estamos privados deixam-nos sempre espaço para as recordarmos com um sorriso tosco na cara.
Esse sorriso tosco, sinal de pura saudade à superfície dos lábios, é o mesmo sorriso com que recordo o verão de há cinco anos que passei a andar de bicicleta com todos os amigos que, entretanto, perdi; e deles e desse verão só resta uma vaga névoa. Um espaço em branco entre os dois. Foi o que restou da amizade dos dez anos de idade. Saudade. Saudade de quando responsabilidade era apenas outra palavra no dicionário.
Esta mistura de tristeza e alegria, confuso e claro, faz qualquer coração partir e rejubilar de alegria.
O reformado que lembra o seu primeiro amor de verão, a criança que mal pode esperar pelo Natal seguinte, o adulto que preferia ser criança. Todos a sentem. Todos sentem a sua doce tortura. A saudade.
Mafalda Murta, 10.º CT2

Sem comentários:

Enviar um comentário