quinta-feira, 7 de abril de 2016

Dia Mundial da Saúde [7 de abril]


... a insustentável leveza dos ideais


O Dia Mundial da Saúde foi instituído pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a 7 de abril de 1950, sendo que esta efeméride evoca a criação da OMS, fundada exactamente dois anos antes (1948).

Todos os anos, a OMS escolhe um tema de reflexão para debater na celebração desta data, chamando a atenção para temas da saúde pública - tais como o HIV/SIDA, a tuberculose, entre outros – de modo a formar mentalidades, desmitificar possíveis ideias pré-concebidas e educar as sociedades no sentido de evitarem / prevenirem comportamentos de risco tanto a nível de saúde individual como coletiva. Este ano o tema de reflexão é a diabetes, sendo que os grandes objetivos são educar a população mundial sobre as causas que levam ao desenvolvimento da doença (e neste ponto, dá-se especial destaque às populações dos países em desenvolvimento), criar e estimular um conjunto de ações que viabilizem o diagnóstico e o acompanhamento dos diabéticos (como, por exemplo, rastreios e consultas) e, por último, conseguir cumprir um dos grandes objetivos do primeiro relatório mundial sobre esta doença: o de apelar para a criação de sistemas nacionais de saúde cada vez mais sólidos, de modo a assegurar o melhor acompanhamento possível aos cidadãos que estão em risco de desenvolver diabetes ou que, infelizmente, já tenham a doença.

Pessoalmente, considero que combater a diabetes é fundamental para promover a qualidade de vida das populações. Conheço algumas pessoas que têm diabetes – uns por questões de hereditariedade, outros pela falta de cuidado com aquilo que comem – e a resposta à pergunta “Como é viver com diabetes?” é similar em qualquer caso: é bastante complicado. Não só pela necessidade de se ser responsável na toma da insulina (que, se faltar ou se deteriorar, coloca a pessoa em risco de morrer), mas também porque custa saber que, a qualquer momento, males piores poderão advir deste problema, tais como amputação de partes do corpo ou até mesmo a cegueira total.

Ora, tendo em conta que ainda não se descobriu a cura para a diabetes, é importante que as pessoas tenham consciência no que diz respeito à sua alimentação e estilo de vida, de modo a prevenir eventuais complicações que possam vir a comprometer a nossa vida e a fazê-la depender de substâncias que, se tivéssemos sido responsáveis, não teríamos de tomar regularmente. E quem diz isto para o caso específico da diabetes, repete a ideia quando se trata de outros problemas do mesmo tipo (hipertensão, bócio, anemia, osteoporose, etc.), que podem não nos atingir se soubermos cuidar de nós.

Em suma, penso que esta estratégia de comemoração do Dia Mundial da Saúde adotada pela OMS seja a mais indicada, tendo em conta que, através da sensibilização e da tomada de ações concretas, poderemos tratar das pessoas já atingidas pelas doenças e, mais importante que isso, evitar que outros venham a contraí-las também.

Diana Cruz, 12º LH2

Referências bibliográficas:
Organização Mundial de Saúde (s/d). World Health Day 2016: Diabetes. Disponível em: http://www.who.int/campaigns/world-health-day/2016/event/en/


Wada, Célia (s/d). 07 de Abril - Dia Mundial da Saúde - História do Dia Mundial da Saúde. Disponível em: http://www.cmqv.org/website/artigo.asp?cod=1461&idi=1&id=10582 

Sem comentários:

Enviar um comentário