domingo, 17 de abril de 2016

Salman Rushdie


                                                                                                             ...a ler




Sir Ahmed Salman Rushdie nasceu a 19 de junho de 1947 em Bombaim (agora Mumbai), Índia. Era o filho único de um abastado indiano homem de negócios e uma professora e foi educado numa escola privada em Bombaim, antes de frequentar “The Rugby School” em Warwicksire, Inglaterra. Formou-se em História, com louvor, no “King’s College” na Universidade de Cambridge.

Viveu com a sua família, durante algum tempo, no Paquistão. Aí começou a trabalhar, escrevendo alguns textos para televisão, mas depressa regressou a Inglaterra onde, durante os anos 70, se dedicou a trabalhar como redator para uma agência de publicidade.

Apesar de Rushdie se vir a tornar um alvo dos extremistas muçulmanos, a religião sempre teve um papel importante na sua educação. O seu avô, um homem simpático e médico de família, era um devoto do Muslim e rezava cinco vezes por dia e realizou a Hajj a Meca. O envolvimento religioso do seu avô não era caracterizado pela tolerância, algo que influenciou profundamente o jovem Rushdie.

Em 1975 Rushdie publicou o seu primeiro livro “Grimus”, uma obra de ficção científica, que recebeu poucas críticas. Dono de um estilo próprio, e dominando excelentes técnicas de narração, Rushdie continuou a escrever e a sua segunda obra “Midnight’s Children” ganhou o Prémio Booker e “The James Tait Black Memorial Prize para ficção, em 1981. Em 1993 e em 2008 a obra recebeu ainda o prémio de “Best of the Bookers”, uma distinção que a tornou a melhor obra a ser galardoada com “Booker Prize for Fiction”.

Em 1988 Rushdie publicou “The Satanic Verses”, uma obra que causou controvérsia no mundo Islâmico e cuja estória principal foi inspirada em parte na vida de Muhammad. Os críticos adoraram. A obra ganhou o “Whitbread Award” para a obra do ano e foi uma das nomeadas para o “Booker Prize”. Mas, por outro lado, originou uma imediata condenação do mundo Islâmico que a consideraram ofensiva ao profeta Maomé. Em muitos países com largas populações de muçulmanos, a obra foi proibida e a 14 de fevereiro de 1989, Ayatollah Khomeini, o líder espiritual do Irão, proferida a “fatwa”, condenando o autor à morte. Durante muitos anos o autor teve de viver sob proteção policial.

Para tentar diminuir a força da raiva que se instalou contra ele, Rushdie apresentou um pedido de desculpa público e expressou o seu apoio ao Islão. Com o tempo, o “calor” à volta desta questão acalmou e em 1998 o Irão declarou que não apoiaria a “fatwa”.

De toda a sua vasta obra, apenas uma está disponível na Biblioteca Escolar Clara Póvoa, “Luka e o Fogo da Vida”, publicada a 6 de agosto de 2010.





Em 2012 Rushdie publicou “Joseph Anton: A Memoir”, um testemunho autobiográfico da sua vida durante o longo período da “fatwa”.

Mesmo nos momentos mais controversos sobre a sua obra, Rushdie continuou a escrever. No total escreveu onze romances, alguns livros para crianças e publicou várias compilações de ensaios e trabalhos. “Two Years Eight Months and Twenty-Eight Nights” foi publicado em setembro 2015. 

As suas obras estão traduzidas em mais de 40 línguas diferentes. 
Rushdie recebeu inúmeros prémios, incluindo  títulos honorários  em seis Universidades inglesas e seis americanas.Em 2014 foi galardoado com o “PEN/ Pinter Prize”.
 
Rushdie manteve sempre uma postura firme através das palavras e da escrita. É um defensor “feroz” da Liberdade de expressão e criticou frequentemente a Guerra dos EUA no Iraque. 

Baseados na sua obra foram realizados dois filmes: “Os Filhos da Meia Noite” e “Quando Me Apaixono”.
Tem participado sempre em inúmeros programas e eventos transmitidos pela televisão.

No dia 14 de janeiro de 2015, na Universidade de Vermont, Salman Rushdie falou sobre os ataques ao Charlie Hebdo – “A liberdade de expressão deve ser absoluta”

No jornal Público, a 22 de fevereiro de 2016, foi publicada a seguinte notícia “ Media iranianos renovam “fatwa” contra Salman Rushdie”

De 22 de setembro a 8 de outubro de 2016 terá lugar a segunda edição de “Folio-Festival Literário Internacional de Óbidos” que contará com a presença de Salman Rushdie que vem apresentar o seu novo livro “Dois anos, oito meses e vinte e oito noites”.

Para saber mais sobre este autor e a sua obra, entre muitas outras fontes de qualidade, é possível explorar: a sua página oficial, o extenso dossier do The Guardian sobre o autor que inclui vários artigos e uma extensa entrevista publicada na The Paris Review

Luísa Torres

Sem comentários:

Enviar um comentário